Liderança indígena suplica ajuda da população após incêndio em aldeia

"Colocaram fogo e foi destruída a maior parte da nossa floresta, com nossos legumes, nossas medicinas. Precisamos do apoio da irmandade para reflorestar o nosso centro". Desabafa Mapu, cacique da tribo huni kuin

O centro Huwã Karu Yuxibu, localizado em Rio Branco, capital do Acre, é um espaço que abriga famílias indígenas e acolhe pessoas de diversos lugares que buscam ajuda através das medicinas da floresta, músicas de cura, alimentação orgânica e tudo o que a cultura dos nativos oferece.

Para os índios a terra é sagrada "Só estamos com dez hectares e estão sendo queimado, olha que crueldade do ser humano que chega a esse ponto e tá fazendo isso com nós. Não é grande a terra gente não precisa disso. Já temos um plano para cuidar, reflorestar, mostrar à humanidade como podemos cuidar da nossa terra, da nossa floresta, que é nosso corpo, é nossa casa, é nossa vida".

Sem floresta não há vida

A Amazônia é responsável pelo equilíbrio ambiental não só do Brasil, mas do mundo. Sem biodiversidade não há vida no planeta, por isso a importância dos índios em proteger as nossas florestas. O dinheiro não é capaz de comprar o ar que respiramos, sendo assim, o apoio a esses povos ultrapassa questões ideológicas, pois o objetivo em comum é sobreviver, independente de posições políticas individuais.

"Enquanto existir índio vai existir natureza, porque os índios são os grandes guardiões da floresta, eles nascem com a consciência de que a natureza é a mãe deles, então por isso os caras dão a vida pela mãe deles. Às vezes a gente não tem coragem de dar a vida pela floresta, mas pela mãe a gente tem. Então o problema está na forma como a gente enxerga a natureza. Nós somos parte disso, por mais que tenhamos criado essa ilusão de concreto na cidade, temos que entender que somos filhos da terra e os índios seguram essa bronca. Se acabar o índio acaba a floresta e se acaba a floresta, acaba tudo". Diz Marcos Vinicius Cunha, ativista da causa indígena e integrante do grupo de rezo Saravashivaya.

Consciência planetária

Se todos os homens enxergassem a alma da floresta, ficariam em silêncio para escutar o que os nossos irmãos nativos indígenas têm a nos ensinar. Se durante a colonização da américa o homem escutasse o coração da mãe terra, não tentaria doutrinar e catequizar os índios, pelo contrário, entenderia que quem precisa aprender com eles somos nós.

Nós somos a Nova Era e o maior ato de resistência em tempos difíceis, é continuar vibrando amor e abraçando as causas humanitárias com compaixão e respeito pela vida de tudo o que há no mundo.

Ajude a comunidade Huni Kuin: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-reconstruir-a-comunidade-huni-kuin-acre-que-foi-incendiada 

Texto de Nancy Caprini

Nenhum comentário:

Postar um comentário