Saudade do que poderíamos ter vivido


É tão difícil ver os memes e me controlar para não te marcar, para não te mandar.

É tão difícil ver suas stories e não suspirar. Ver suas fotos e não reagir. Cada nova conquista e não parabenizar.

Para o meu bem, preciso me distanciar. Estou sofrendo, mas vai passar.

É que é difícil se entregar para alguém que está nem aí, né? Esse mesmo alguém que recebeu chocolates e uma cartinha sua, no trabalho.

O que será que eu fiz de errado para ser tão deixada de lado? Será que é meu posicionamento político tão escancarado?

Não é possível que meus gestos de carinho, ou os sempre meus convites pra sair, não mereçam ganhar um desenho seu.

Acho que é por isso que dói mais: algum dia você ter me contado que já fez um desenho para alguém. Só me fala por que você sentia tanto por ela, ou por que não sente nada por mim.

Você acha que eu não queria te ver jogar e ficar ali da arquibancada gritando? Eu até aprenderia cada regra desse jogo, que por mim é tão desconhecido.

Você acha que eu não sonhava em assistir aos jogos do nosso time de futebol favorito contigo? Fosse no estádio ou no sofá com os pés apoiados nas suas pernas.

Aí dói, não porque dá saudade de você, porque a saudade, na verdade, é daquilo que poderíamos ter vivido.

Que tola sou eu de chorar por alguém que não deve sentir nada além de indiferença por mim.

Por sua causa, eu deixei escapar duas pessoas que diziam me amar. Que tola fui eu.

Agora estou aqui, vivendo aquela parte do sonho em que vou assistir ao jogo do nosso time favorito, só que com outra pessoa. Espero que ele possa me fazer feliz, assim como eu tentei fazer você sorrir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário