Eu gostava de ouvir ele roncar


Cheguei em casa e me joguei no sofá com muito cansaço físico e mental. Fiquei na mesma posição por horas - pelo menos foi o que pareceu.

De repente a porta se abriu e senti o perfume leve que veio com a corrente de vento. Era ele. Mais uma vez bem vestido e cheiroso, com um sorriso tão sincero que também me fez sorrir.

E agora eu já não pensava em mais nada, só no quanto era bom estar ali. No quanto aquelas lembranças ditas entre gargalhadas me confortavam.

Nos vi deitados abraçados, com leves carinhos, esperando a noite acabar. Nada mais importava, porque eu gostava mesmo era de ouvir ele roncar, e observar cada detalhe do seu rosto quando ele - que vivia envergonhado - já não podia disfarçar.

As horas passaram e o despertador tocou. Era hora de partirmos e esperar mais uma dessas boas noites chegar.

Texto por: Débora Laís
Descobriu a paixão pelo jornalismo quando entendeu o que o profissional da área realmente faz. Apaixonada por conhecer pessoas, conversar e viajar, já fez amizade até em velório. Pensou várias vezes em seguir outros rumos e arriscar outras profissões, mas acaba caindo nas garras do jornalismo direta ou indiretamente. Com passagens por redações grandes e pequenas, atuou em sites com hardnews, cobrindo todas as editorias. Atualmente é assessora de imprensa e toca um projeto pessoal no Instagram, o @deboraviaja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário