Muita arte contemporânea com a Heineken

Entrada do The Art Of Heineken (foto de divulgação)
Uma sala bem iluminada, cheia de cordas amarelas com canudinhos brancos na ponta de cima, vindas lá do teto. Para chegar do outro lado, só dando de cara com todas elas, que imitam cerveja, com colarinho de tudo.

Foto de Tarla Prado
O próximo ambiente é cheio de totens vazados presos às paredes, é só abaixar-se um pouquinho para entrar dentro delas e ver as televisões que começam contar um pouco da história da Heineken.


Fundada por Gerard Adriaan Heineken, em 15 de fevereiro de 1864, em Amsterdã, a marca de uma das cervejas mais famosas do mundo inovou e soube aproveitar muito bem o terraço do MAC-USP (Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo).


Saindo dali, o próximo recinto mostra como é feita a tal da bebida que todos amam (e os que não, ainda vão aprender a amar). Até uma caixa cheia de cevada está disposta para pegarmos e cheirarmos.


Mais à frente, passamos por um corredor e damos de cara com um paredão formado por televisores antigos, em preto e branco e tudo, que nos mostram os primeiros comerciais da marca. O mais interessante é: logo adiante, as publicidades impressas em revistas e outdoors, estampam pôsteres que podem ser levados pelo público.

Foto de Tarla Prado
Foto de divulgação

Acho que chegamos... Nãnão, ainda tem a última sala – muito parecida com o quarto de Bing, do episódio Fifteen Million Merits (Quinze Milhões de Méritos) de Black Mirror – que passa uma curta metragem, em 360º, da história da Heineken.


Como toda boa pessoa culta, que adora visitar um museu, também ama fazer aquele brinde, ao sair do quarto de Bing, damos de cara com um bar e dois garçons alemães para nos servir o primeiro chopp. Gente, que delícia (a bebida e os alemães, claro). Só podia ser melhor se, em vez de falarem inglês conosco, falassem alemão – não entenderia uma só palavra, mas não precisamos de muito para apreciar uma boa cerveja, né?

Foto de Fernanda Uehara

Dali em diante é festa total, mas com interatividade também. Após passar pelo bar dos alemães, há uma lojinha com produtos personalizados da Heineken (camisetas, bonés, chapéus, bolsas, mochilas, relógios, chaveiros, headphone, óculos, caderninhos e até a garrafa longneck com seu nome escrito), uma sala para narrar um jogo da UEFA Champions  e até uma mesa pick-up para bancar o DJ por alguns minutos.

Fotos de Fernanda Uehara





Foto de Tarla Prado
Por que não fazer uma super foto de recordação? A Heineken preparou um cenário interativo com a estrela de seu logotipo pendurada no teto e um “Hero Of The Night” vindo do chão. É só se posicionar atrás da estrelar e se tornar o herói (ou heroína) da noite.

Foto de Tarla Prado

Do lado de fora, mais surpresas, a começar pela vista magnífica da região do Ibirapuera. Do lado esquerdo (to the left, to the left) a Avenida 23 de maio, com todos aqueles carros e ônibus passando, que, por mais que você reclame do trânsito, dali de cima nunca se cansa de observar. Acima de todos os prédios, que trazem a geometria à paisagem, a aquarela mais perfeita que o verão pode pintar, um céu todo azul escuro com laranja ao pôr do sol.

Fotos de Tarla Prado

Na parte da frente, um palco muito bem estruturado, que traz pocket shows incríveis com um fundo magnífico: o Obelisco se sobrepondo a todo o caos que a cidade de São Paulo traz, e que odiamos/amamos muito.

Foto de Tarla Prado

O show


Como a festa não para por aí, ao bater 22h07 no relógio, Emicida sobe ao palco e encanta até quem estava ali só pela experiência da Heineken mesmo. Que homem foda!

Foto de Fernanda Uehara

O palco o deixa tão perto do público, que eu, ali no meio, na frente, como boa tiete do rapper, pude falar com ele e até cumprimentá-lo com aquela batidinha de mãos.


Que emoção poder cantar Hoje Cedo cara a cara com ele.


Melhor ainda foi gastar toda a voz que tinha cantando oito minutos ininterruptos de Mandume. O que deu um gostinho a mais ao show, em especial nessa música, foi a participação de Muzzike, um dos rappers que gravou a faixa junto de Emicida, Drik Barbosa, Amiri, Rico Dalasam e Raphão Alaafin. A única vez em que todos estiveram juntos em um show foi no Festival Sons da Rua, no dia internacional do hip-hop (12 de novembro), e olha, foi espetacular!

Fernanda e Fióti (foto de Tarla Prado)

Fim de festa


A noite estava tão maravilhosa, que o dia não podia simplesmente durar só 24 horas. Ao soar das 12 badaladas da noite, o relógio voltou às 23h.


Deu tempo até de se recuperar daquela bebedeira típica de evento de cerveja. Como a Heineken se preocupa com o consumo consciente, a água é gratuita e nós mesmos podemos nos servir. Sabem aquelas torneiras de chopp que existem nos bares e que nós não temos acesso? Tem ali para o público, só que em vez do suco de cevada era suco de nuvem mesmo.

Fotos de Fernanda Uehara
E engana-se quem pensa que ali só tem cerveja. Um drink super bombástico e lindo é ótima opção para quem aguenta a bebedeira, porque é gigante, viu? 

Foto de Fernanda Uehara

Ah, sabem quem curtiu a experiência junto do À Paulista? A dupla Anavitoria e o ator Paulinho Vilhena. Chique, né?

Tarla, Ana, Fernanda e Vitoria (foto de arquivo pessoal)
Paulinho Vilhena, Tarla e Fernanda (foto de Paulinho Vilhena)

Se quiser fazer como a gente, o The Art Of Heineken acontece de sexta-feira a domingo e vai até o dia 12 de março, é só escolher o horário de exibição aqui no site e comprar seu ingresso. Aproveitem, porque vale super a pena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário